Os fascistas avançam por toda Europa: Espanha, Grécia, Suécia e Rússia…

Imagem

Milhares de nacionalistas foram às ruas das principais cidades da Rússia, incluindo Moscou, São Petersburgo, Kazan e Irkutsk, na segunda-feira passada (04/11/2013), dando continuidade às manifestações que desencadearam violência anti-imigração nos anos anteriores.

O grupo de 20 mil manifestantes em Moscou era composto por pessoas com idades diversas, desde adolescentes a idosos, alguns dos quais são militares aposentados.

As imagens do bairro Liublino, onde a marcha ocorreu, mostram militantes carregando bandeiras da Rússia Imperial e cartazes com slogans como “Hoje uma mesquita, amanhã jihad” e “Diga sim a vistos para imigrantes”. Um grupo exibia também uma faixa com os dizeres “Jovens Contra a Tolerância”, acusando os imigrantes de elevarem os índices de criminalidade e tomarem seus trabalhos.

Os manifestantes gritavam em coro “Russos Unidos” e “Rússia para os russos, Moscou para os moscovitas”, ecoando a hostilidade para com imigrantes das ex-repúblicas soviéticas da Ásia Central e cidadãos não eslavos oriundos do Cáucaso, em sua grande maioria muçulmanos. Esses indivíduos geralmente se dedicam ao comércio ou trabalhos braçais que os moscovitas se recusam a fazer – gari, lixeiro, pedreiro e outros serviços ligados à manutenção da infraestrutura.

Do Socialismo à Unidade Nacional

Em 2005, o presidente russo Vladímir Pútin substituiu o antigo feriado que celebrava a revolução de 1917 com o Dia da Unidade Nacional, comemorando a libertação de Moscou dos invasores poloneses em 1612. O feriado, no entanto, logo se tornou sinônimo de manifestações ultranacionalistas sob a bandeira “Marcha Russa”, que geralmente apresentam slogans anti-imigração e, às vezes,  até mesmo símbolos nazistas.

Os cidadãos de todas as repúblicas da Ásia Central, incluindo Azerbaijão, Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão, Moldova, Tadjiquistão, Ucrânia e Uzbequistão, não precisam de visto para entrar no país. Por isso, os participantes dos protestos pediam a introdução de um regime de vistos para os cidadãos da CEI (Comunidade dos Estado Independentes) que viajarem para a Rússia. Alguns manifestantes exigiam também que o governo reduza o volume de verbas públicas destinadas às repúblicas russas no Cáucaso do Norte, como Tchetchênia e Daguestão.

Enquanto alguns transeuntes mostravam descontentamento, outros disseram apoiar a marcha por causa do crescente número de imigrantes em suas vizinhanças. Cerca de 140 pessoas ficaram feridas e 19 foram vítimas de crimes de ódio ao longo deste ano em Moscou, de acordo com o Centro Sova, uma ONG com sede na capital que monitora os casos de racismo.

Cerca de 30 pessoas foram detidas em Moscou durante o protesto de segunda-feira por usarem slogans e símbolos nazistas, além de pequenas infrações de ordem pública, de acordo com a polícia local. A agência de notícias Interfax informou também que a polícia deteve 12 participantes em um protesto semelhante na cidade siberiana de Krasnoiarsk

Na cidade de Volgogrado, 60 pessoas foram supostamente presas depois que tentaram continuar o protesto após o horário permitido. Mais de 30 pessoas foram detidas em São Petersburgo, onde cerca de 2 mil participaram do evento.

Problema latente

Os protestos desta segunda-feira aconteceram três semanas depois da revolta no bairro moscovita de Biriulovo. O tumulto em Moscou havia sido gerado pelo assassinato de um cidadão de etnia russa, supostamente morto por um migrante do Cáucaso.

Depois do crime, os manifestantes chegaram a invadir o armazém onde o suposto assassino trabalhava. Mais tarde, a polícia prendeu cerca de mil imigrantes que trabalhavam no local, e um homem do Uzbequistão foi encontrado morto nas proximidades com várias marcas de facada.

De acordo com observadores, as revoltas de Biriulovo mostram que a xenofobia não é característica exclusiva de alguns extremistas, mas está rapidamente se transformando em uma preocupação social.

Manifestações da paz

Alguns moscovitas decidiram, contudo, celebrar o Dia da Unidade de uma maneira menos agressiva, participando da “Marcha Imperial”, organizada para celebrar o 400º aniversário da dinastia Romanov.

O presidente russo Vladímir Pútin, por exemplo, participou de uma exposição em homenagem a dinastia Romanov, juntamente com o líder da Igreja Ortodoxa Russa, Patriarca Kirill.

Em São Petersburgo, alguns ativistas organizaram protestos contra o ódio e o fascismo dois dias antes da “Marcha Russa”. Mas nem isso impediu a violência racial durante a marcha na cidade, e 40 jovens “mau encarados” atacaram diversas pessoas de aparência não eslava.

Fonte: http://gazetarussa.com.br/sociedade/2013/11/06/vinte_mil_pessoas_participam_de_marcha_nacionalista_em_moscou_22657.html

Anúncios
Etiquetado , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: