Arquivo da tag: preconceito

Por que rotulamos as pessoas?

rotulos-pessoas2

Para que serve um rótulo? Oras, serve para classificar algo.

Mas, por quê temos a necessidade de rotular as pessoas? Acredito que trata-se de um processo inconsciente que nós humanos desenvolvemos, para, primeiramente, sabermos em como lidar com determinada pessoa e também para prevermos as ações dela.

O nosso cérebro consegue fazer essa rotulação em pouquíssimo tempo, e é por isso que nas muitas vezes em que conversamos com alguém que não conhecemos, começamos a analisá-la a fim de classificá-la como confiável ou não. Serve como uma autodefesa.

Continuar lendo

Etiquetado , , , , ,

Rolezinho: os shoppings centers oferecem aos paulistanos realidade virtual

Imagem

“Tem de proibir esse tipo de maloqueiro de entrar num lugar como este.”

A frase – registrada pela sempre presente Laura Capriglione, para a Folha de S. Paulo – é de uma frequentadora do Shopping Internacional de Guarulhos, revoltada com a chegada de centenas de jovens pobres que marcaram, via redes sociais, de se divertirem por lá no último sábado (14).

Antes de mais nada, tem que proibir esse tipo de pessoa que diz a frase acima de andar por aí, solta. Depois ela morde alguém e fica por isso mesmo.

Considerando que eles não roubaram nada, por que 23 deles foram detidos? Cor de pele? Trajes inadequados? Falta de comprovante de renda? Gosto musical? Se um princípio de arrastão ocorreu, como dizem algumas testemunhas, por que o shopping soltou uma nota afirmando que nada foi roubado?

Não precisa ser sociólogo para perceber que a molecada que marca esses encontros quer, acima de tudo, reafirmar sua existência. E mesmo alguns tumultos que possam causar têm a ver com isso. É como se gritassem a plenos pulmões: “Ei, eu existo, pô!” Boa parte dos jovens negros e pobres da periferia nascem e morrem diariamente sem que o Estado esboce um bocejo de preocupação ou que o restante da sociedade fique sabendo.

Os shoppings centers oferecem aos paulistanos realidade virtual. Meus amigos de Alphaville, ao criticarem os condomínios fechados em que cresceram, chamam esse tipo de estrutura de “bolhas”. Um ambiente agradável, asséptico, sem pobreza, dor ou feiúra, com temperatura estável e luz na quantidade certa para possibilitar aquilo que fazemos de melhor: comprar.

Você que mora fora de São Paulo talvez não entenda a paixão avassaladora que nós, paulistanos, principalmente os de classe média, temos pelo shopping center. Matérias e mais matérias já foram produzidas sobre pessoas que não viveriam sem eles – não porque deles dependem para tirar o sustento, mas por terem escolhido suas luzes, vitrines, cinemas, restaurantes e academias como pano de fundo para suas existências. Gostando ou não gostando, oferecem a comodidade necessária para o nosso ritmo e fazem parte da nossa vida.

E melhor de tudo é a sensação de falsa segurança, no estilo “me engana que eu gosto”. Shoppings oferecem a garantia de que nada vai acontecer com você se estiver lá dentro. Da mesma forma que cercas eletrificadas mentem sobre a proteção de casas, que carros blindados mentem sobre a proteção de famílias, que a presença de uma arma de fogo mente quando promete afastar qualquer risco real.
Continuar lendo

Etiquetado , , ,

MICHELINE BORGES VAI #$@%@$*

Jornalista brasileira causa revolta ao lamentar chegada de profissionais de Cuba ao Brasil: “médicas cubanas têm cara de empregada doméstica; será que são médicas mesmo? Coitada da nossa população”

Imagem

 

A chegada de profissionais de saúde cubanos no Brasil revela a face mais hipócrita, egoísta e retrógrada de parte da sociedade brasileira, provocando reações que causam constrangimento em qualquer brasileiro com o mínimo de bom senso.

No Ceará, médicas brasileiras hostilizaram sem nenhum pudor médicos cubanos que participavam do primeiro dia de curso. Em Minas Gerais, o presidente do Conselho Regional de Medicina, João Batista Gomes Soares, afirmou que orientará seus médicos para não socorrerem pacientes que sejam vítimas de “possíveis erros” de cubanos. A declaração do presidente do CRM/MG deflagra um claro estímulo ao crime de omissão de socorro.

Nas redes sociais os posicionamentos não são menos desastrosos. O mais recente foi o da jornalista potiguar Micheline Borges, que afirmou que as médicas cubanas “têm cara de empregadas domésticas”, questionando se as profissionais da ilha caribenha são realmente formadas em medicina.

Em outro trecho, ela reitera sua reclamação a respeito da imagem dos profissionais cubanos. “Médico, geralmente, tem postura, tem cara de médico, se impõe a partir da aparência”.

Após a repercussão, Micheline Borges deletou sua conta do Facebook.

(Atualização)

Micheline Borges pediu desculpas no Twitter pelo que falou sobre as médicas cubanas. “Sou inteligente para mudar de opinião”, disse. “Errar é humano, reconheço o erro”, complementou, pedindo paz.

 

Imagem

Fonte: http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/08/jornalista-medicas-cubanas-parecem-empregadas-domesticas.html

Etiquetado , , , ,
%d blogueiros gostam disto: